quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento


No dia 7 de novembro, as 18:30, no Teatro Oi Casa Grande, você está convidada(o) para assistir a entrega do PRÊMIO ABDIAS DO NASCIMENTO. Na ocasião, todas(os)  saberão quais serão os vencedores das sete categorias (Mídia impressa/Televisão/ Rádio/ Internet/ Mídia alternativa ou Comunitária/ Fotografia e Especial de Gênero - Jornalista Antonieta de Barros).

Então, façamos todas(os) a diferença! Vamos prestigiar estes jornalistas, que a exemplo de ABDIAS DO NASCIMENTO, fazem do seu ofício a busca pela igualdade racial.

Atenção! A ocupação do Teatro está sujeita a lotação da casa. Você pode até levar um(a) acompanhante. Desde que, confirme o quanto antes, a sua presença através do email :producaopremio@gmail.com

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Por uma pedagogia dos indicadores sociais

O Laboratório de Análises Econômicas, Históricas, Sociais e  Estatísticas das Relações Raciais do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, convida para o primeiro Ciclo de Palestras intitulado  "Por uma pedagogia dos indicadores sociais" . O Ciclo de Palestras do Laeser iniciará com debates tendo por referência análise do   2º Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil; 2009- 2010 e o Tempo em Curso.
 
Terceiro encontro:
Data: 28 de outubro de 2011
Horário: 18h as 21h
Local: Sinpro/Rio (Rua Pedro Lessa, 35/2º andar)

Como terceiro evento, faremos  análise dos indicadores de acesso a  previdência social, tendo por referência o 2º Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil; 2009-2010 – Capítulo V  “Acesso a Previdência Social”

Tema da palestra: “Acesso a Previdência Social”
Palestrantes:
Marcelo Paixão (Professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do Laeser)
Denise Lobato Gentil (Professora do Instituto de Economia da UFRJ)

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Mulher e Culturas Digitais

Aconteceu no dia 18 de outubro o Encontro Baiano Mulheres e Mídias, esse ano com o tema Mulher e Culturas Digitais. O evento aconteceu no auditório da Faculdade de Comunicação(Facom/UFBA), no Campus de Ondina. Nessa ocasião foi lançado um curso para blogueiras, promovido pela Articulação em parceria com Labdebug/ Facom/UFBa e Cese. O curso objetiva formar mulheres, para o uso de ferramentas digitais.
 O encontro foi direcionado a mulheres ativistas feministas e integrantes do movimento social de mulheres da Bahia, interessadas em discutir o tema: Mulher e Culturas Digitais. Entre os objetivos do encontro estão formular proposições para estimular e garantir que os programas estaduais de fomento à produção e difusão cultural valorizem a expressão das mulheres e suas contribuições social, política, econômica e cultural.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Caixa Economica refaz o vídeo sobre Machado de Assis

O vídeo sobre Machado de Assis, realizado pela Caixa Econômica Federal, causou muita polêmica mostrando um Machado de Assis branco. A Caixa Econômica recebeu várias críticas que resultou em mudanças no vídeo que traz agora um Machado de Assis negro, aliás como deveria ser desde o início.

O fato mostra a falta de sensibilidade dos profissionais de mídia em relação as questões raciais, e como a mídia pode repassar informações que desvalorizam a memória e cultura afro-brasileira.

A Caixa Econômica Federal começou a veicular uma nova peça publicitária em que mostra Machado de Assis (1839-1908) interpretado por um ator negro.

A campanha publicitária comemorava os 150 anos da Caixa e mostrava a história do escritor, que teria sido correntista no banco.

Voce pode conferir a matéria clicando agora no 

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Mulheres Negras e o Premio Nobel da Paz 2011

O movimento de mulheres negras está festejando pois entre as três ganhadoras do Prêmio Nobel da Paz 2011, duas são mulheres negras. Entres elas estão a presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, a militante Leymah Gbowee, também liberiana, e a jornalista e ativista iemenita Tawakkul Karman.

O anúncio foi feito nesta sexta-feira (7) em Oslo, capital da Noruega, pelo comitê que outorga o prêmio desde 1901. Thorbjoern Jagland, presidente do comitê do Nobel, argumentou que as laureadas foram "recompensadas por sua luta não violenta pela segurança das mulheres e pelos seus direitos a participar dos processos de paz".

"A esperança do comitê é de que o prêmio ajude a colocar um fim na opressão às mulheres que ainda ocorre em muitos países e a reconhecer o grande potencial para democracia e paz que as mulheres podem representar", disse o presidente do comitê.

"Não podemos alcançar a democracia e a paz duradoura no mundo se as mulheres não obtêm as mesmas oportunidades que os homens para influir nos acontecimentos em todos os níveis da sociedade", disse Jagland.

domingo, 9 de outubro de 2011

Dia Nacional de Mobilização Pró-Saúde da População Negra

“Mesa de negociação: Saúde da População Negra do Estado do Rio de Janeiro, com foco na Mortalidade Materna de Mulheres Negras e na Garantia dos Direitos Sexuais e Reprodutivos”.  
Realização: Criola
Pensando em abrir um canal de interlocução entre a população negra e o poder público, Criola pretende avançar nas discusssões sobre os impactos do racismo na saúde e a garantia de direitos a saúde para a população negra no dia 27 de Outubro - Dia Nacional de Mobilização Pró-Saúde da População Negra.
Para isso pretende partir de uma experiência e fato ocorrido em 2002, na Baixada Fluminense do Rio de Janeiro, área de grande concentração de população negra, e que foi palco de um dos casos que mostrou a desatenção e a falta de cuidado em relação a saúde da população negra, assim como a violação dos direitos reprodutivos das mulheres: o caso de Alyne Silva Pimentel.

Alyne Pimentel de 28 anos morreu  em novembro de 2002, no sexto mês de gestação, cinco dias após dar entrada em hospital público com sinais de gravidez de alto risco e  não recebeu atendimento apropriado. Esse caso provocou grande repercussão e foi levado ao Comitê CEDAW  em 2007, que propôs uma série de recomendações para o Brasil.

A proposta é a realização de uma Mesa de Negociação com a presença de gestores de saúde e da promoção da igualdade racial, parlamentares, conselheiros de saúde, representantes do Ministério Público e sociedade civil para ampliar as discussões sobre as condições de saúde da população negra e os impactos do racismo na saúde desse segmento da população.
  Objetivos: Pactuar  3 ações estratégicas para a implementação das recomendações estabelecidas pelo Comitê CEDAW, para o enfrentamento da mortalidade materna de mulheres negras, a partir do caso Alyne da Silva Pimentel Teixeira

 Público:  Gestores de saúde e da promoção da igualdade racial, parlamentares, conselheiros de saúde, representantes do Ministério Público e lideranças do movimento negro e movimento de mulheres, da região metropolitana do Rio de Janeiro (I, II e capital).

 §  Número de participantes:
    100 participantes 

   Informações pelo telefone (21) 2518-6194
  
   Foto: Google

Ponto de Cultura Criola

Ponto de Cultura: Mulheres Negras na História
Realização: Criola
Apoio: Secretaria Estadual de Cultura do Rio de Janeiro
Veja aqui algumas ações realizadas pelo Ponto de Cultura Mulheres Negras na História
Participação em eventos
27 de outubro de 2010 – Dia da Mobilização Nacional Pró-Saúde da População Negra -  Realização de grupos de conversas sobre saúde da mulher negra com foco nas contribuições culturais afro-religiosas no campo da saúde(uso de folhas, ervas e raízes)
20 de novembro de 2010 – participação do Ponto de Cultura no Cortejo Mulheres de Axé na Serra da Barriga – Alagoas
21 de fevereiro de 2011 -  Lançamento do Ponto de Cultura Mulheres Negras na História, durante a realização do I Encontro Estadual Mulheres de Axé do Rio de Janeiro, no auditório do Arcos Rio Palace Hotel.
O evento contou com uma apresentação das propostas do projeto seguido de apresentações culturais, como o esquete teatral realizado por Mãe Beata de Iemanjá, mulher negra, ialorixá e escritora do livro de histórias Caroço de Dendê.
Mãe Beata apresentou um monólogo sobre  a mulher negra brasileira, e logo depois foi a vez da cantora Tânia Machado, que nos brindou com vários sambas antigos.
Ciclo de encontros
Encontro: Mídia, Cultura e Racismo, representações sobre a mulher negra
Data: 18 de abril de 2011
Local: sede da ABPV - Centro
Adriana Batista - jornalista
Roseli Rocha – assistente social
Liv Sovik – Professora de Comunicação da ECO-UFRJ


Debate I: Pensamento das Mulheres Negras
Data: 30 de junho de 2011
Local: UERJ, auditório 13 Debatedoras:Conceição Evaristo(escritora e poeta) e Kátia Santos(escritora)

 
Debate II: Diáspora e Movimentos sob a Perspectiva Cultural
Debatedores:  Ana Flávia( jornalista) e Umberto Silva(videomaker) 
Data: 07 de julho de 2011
Local: Uerj, auditório 13

Biblioteca Gésia de Oliveira
A Biblioteca Gésia de Oliveira encontra-se em fase de reestruturação, mas está aberta para o público em geral. Atualmente está organizada por seções de livros, revistas, dissertações, teses, cartazes, folders, entre outros materiais, facilitando o acesso das pessoas  as publicações. Possui também um acervo de vídeo e fotos.
O acervo da Biblioteca já vem sendo acessado por estudantes de escolas públicas, pesquisadores, universitários e por várias organizações. Criola vem colocando parte desse acervo no site democratizando dessa forma o acesso as informações.
O acervo pode ser consultado, e para isso entre em contato com a Criola no 2518-6194.

PUC-RJ realiza seminário sobre o Ano Internacional dos Afrodescendentes

Vai acontecer nos dias 08 e 09 de novembro, o Seminário de Reflexão e Memória da Cultura Afrobrasileira, na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).
O tema deste ano será “O Ano Internacional dos Afrodescendentes e a Resistência Política dos Negros no Brasil de Zumbi dos Palmares a Abdias Nascimento”.



Maiores informações através do endereço:http://seminarioafro2011pucrio.blogspot.com/

As inscrições serão gratuitas!
Inscrição de Ouvintes: até 30/10/11




Programação Preliminar do Seminário:

Data – 08/11/2011 (terça feira)

9h00m - Abertura do Evento: Representante da Reitoria (PUC-Rio);
Representante do Decanato do CCS; Diretor do Departamento de Direito;
Diretora do Departamento de Serviço Social; Representante do NIREMA

9h30m - Conferência Inaugural

11h00m - Mesa 01: O Direito e as Políticas Públicas de Combate ao
Racismo no Brasil

13h00m - Atividade Cultural: Jongo

15h00m às 19h00m – Grupos de Trabalho
GT 1: Políticas Públicas e a Questão Racial
GT 2: Educação das relações étnico-raciais: a lei 10.639/2003
GT 3: Racismo Institucional e Sistemas de Justiça

19h00m - Mesa 02: As Ações Afirmativas e a População Negra no Brasil

20h30m: Atividade cultural: Leitura de fragmentos da Peça Sortilégio
(1951), de Abdias Nascimento.

Data - 09/11/2011 (quarta feira)

9h00m - Mesa 03: Territórios e Territorialidades Negras

10h30m Atividade Cultural: CIA de Dança

11h00m -  Mesa 04: Gênero, Raça e Sexualidade

12h30m Atividade Cultural: Grupo de Teatro de Mulheres Negras

15h00m às 19h00m – Grupos de Trabalho
GT 4: Patrimônio, Territórios e Memória Afrobrasileira: processos
identitários na contemporaneidade
GT 5: Gênero, Raça e Sexualidade
GT 6: Religiosidade Afrobrasileira e Intolerância Religiosa
GT 7: Racismo, Multiculturalismo e Reconhecimento

19h00m Mesa 05: Religiosidade Afrobrasileira e Liberdade Religiosa

20h30m: Encerramento: Lançamento da Cartilha de Legalização das casas
religiosas de matriz africana

21h00m Atividade Cultural: Roda de samba da Pedra do Sal

Atividades Permanentes:
Oficinas de Tranças
Culinária Afrobrasileira
Exposição de Produtos de Economia Solidária

Realização:
PUC-Rio
Foto: google

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Violência e População Negra


No dia 07 de outubro de 2011, de 14 as 18hs, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada-IPEA realiza o Ciclo de Debates: Violência e População Negra. O evento vai acontecer em Brasília na sede do IPEA no SBS Quadra 1 Bloco J, Edifício BNDES-IPEA, auditório do 16 andar.

Informações pelo   eventos@ipea.gov.br ou por fone no (61) 3315-5108

domingo, 2 de outubro de 2011

Lançamento do livro autobiofráfico de Jurema Batista

"Sem passar pela vida em branco" de Miria Ribeiro e Jurema Batista

Quando: 21 de outubro de 2011
Horário: 18:30h
Local: Museu da República - Rua do Catete 153 - Catete -  Rio de Janeiro

A cada dez brasileiros, um é analfabeto. A desigualdade continua.

Pochmann: Pobres que trabalham e estudam têm jornada maior que operários do século XIX
por Fernando César Oliveira, site da UFPR, sugestão de Luana Tolentino
O economista Marcio Pochmann, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), classificou ontem à noite em Curitiba como “heróis” os brasileiros de famílias pobres capazes de conciliar o trabalho com o estudo.
“No Brasil, dificilmente um filho de rico começa a trabalhar antes de terminar a graduação ou, em alguns casos, até mesmo a pós-graduação”, observou Pochmann.

“Os brasileiros pobres que estudam e trabalham são verdadeiros heróis. Submetem-se a uma jornada de até 16 horas diárias, oito de trabalho, quatro de estudo e outras quatro de deslocamento. Isso é mais do que os operários no século XIX.”

O presidente do Ipea foi um dos palestrantes na abertura da terceira edição do Seminário Sociologia & Política, ao lado da professora Celi Scalon (UFRJ), no Teatro da Reitoria da UFPR. “Repensando Desigualdades em Novos Contextos” é o tema geral do seminário. Promovido pelos programas de pós-graduação em Sociologia e em Ciência Política da instituição, o evento termina nesta quarta-feira (28).

Pochmann lembrou que o Brasil levou cem anos, desde a proclamação da República, em 1889, para universalizar o acesso das crianças e adolescentes ao ensino fundamental. “Mas esse acesso foi condicionado ao não crescimento dos recursos da educação, que permaneceram em torno de 4,1% ou 4,3% do PIB. Sem ampliar os recursos, aumentamos as vagas com a queda da qualidade do ensino.”

Essa universalização do ensino fundamental, no entanto, não significa que 100% dos brasileiros em idade escolar estejam estudando. Segundo dados apresentados pelo dirigente do Ipea, ainda existem 400 mil brasileiros com até 14 anos fora da escola. Se essa faixa etária for estendida para 16 anos, a cifra salta para 3,8 milhões de pessoas.

“A cada dez brasileiros, um é analfabeto. E ainda temos cerca de 45% analfabetos funcionais. É muito difícil fazer valer a democracia com esse cenário.”

Em sua fala, Marcio Pochmann também abordou temas como a redução da taxa de fecundidade das mulheres brasileiras, o crescimento da população idosa, o monopólio das corporações privadas transnacionais e a concentração da propriedade da terra.

“O Brasil não fez uma reforma agrária, não democratizou o acesso à terra. Temos uma estrutura fundiária mais concentrada do que em 1920, com o agravante de que parte dela está nas mãos de estrangeiros”, afirmou o economista. “De um lado, 40 mil proprietários rurais são donos de 50% da terra agriculturável do país, e elegem de 100 a 120 deputados federais. De outro, 14 milhões trabalhadores rurais, os agricultores familiares, elegem apenas de seis a dez deputados.”

Para Marcio Pochmann, a desigualdade é um produto do subdesenvolvimento. “Não que os países desenvolvidos não tenham desigualdade, mas não de forma tão escandalosa.”

Foto: Google

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Coordenadora de Criola participa da análise de indicadores da saúde no Ciclo de Palestras do Laeser

O Laboratório de Análises Econômicas, Históricas, Sociais e  Estatísticas das Relações Raciais do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, convida para o primeiro Ciclo de Palestras intitulado  "Por uma pedagogia dos indicadores sociais" .
O Ciclo de Palestras do Laeser iniciará com debates tendo por referência análise do   2º Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil; 2009- 2010 e o Tempo em Curso.

Segundo  encontro:Data: 30 de setembro de 2011
Horário: 19h as 21h
Local: Sinpro/Rio (Rua Pedro Lessa, 35/2º andar)
 
No segundo encontro em 2011, faremos  análise dos indicadores na área de saúde, tendo por referência os capítulos  II e III do segundo  Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil; 2009-2010 – respectivamente:    “Padrões de morbidade e acesso ao sistema de saúde” e “Saúde sexual e reprodutiva”.
 
Palestrantes:
Marcelo Paixão (Professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do Laeser)
Lúcia Xavier (coordenadora da Criola, assistente social e membro do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial representando a Articulação de ONGs de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB)).

sábado, 24 de setembro de 2011

Mobilização Nacional Pró-Saúde da População Negra

A Política Nacional de Saúde Integral da População Negra foi aprovada em 2006 pelo Conselho Nacional de Saúde e negociada na Comissão Intergestores Tripartite em 2008, mas até agora o que vemos são ações esporádicas e sem continuidade.

O descaso e a desatenção faz com que a população negra continue excluída dos direitos à saúde. Mulheres negras continuam morrendo mais de morte materna que as mulheres brancas, jovens negros continuam morrendo mais do que jovens brancos. A população negra continua morrendo por causas evitáveis.

É por conta disso que no dia 27 de outubro, Dia Nacional de Mobilização Pró-Saúde da População Negra, vamos sair as ruas para denunciar que apesar dos avanços do Sistema Único de Saúde, as desigualdades raciais em saúde ainda persistem.

Esse dia é também para lembrar aos formuladores de políticas, aos gestores, profissionais e conselheiros de saúde que a Política Nacional de Humanização do SUS não combina com racismo, sexismo e as diversas formas de intolerância.

Venha para a mobilização nacional voce também.
Mais informações com Crisfanny Souza no crisfanny@gmail.com 

Foto: google

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

2ª Conferência Nacional de Políticas Públicas e Direitos Humanos de LGBT

“Por um país livre da pobreza e da discriminação, promovendo a cidadania de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais”, este é o tema da 2ª Conferência Nacional de Políticas Públicas e Direitos Humanos de LGBT, que vai acontecer em Brasília, de 15 a 18 de dezembro de 2011.

A Conferência tem o objetivo de avaliar e propor as diretrizes para a implementação de políticas públicas voltadas ao combate à discriminação e promoção dos direitos humanos e cidadania de LGBT no país, além de avaliar a implementação e execução do Plano Nacional de Promoção LGBT e propor estratégias para seu fortalecimento.

Informações no http://www.direitoshumanos.gov.br/

Primavera da Saúde, vamos todos e todas para Brasília


O encaminhamento do projeto que regulamenta a EC29 ao Senado transforma a Grande Festa da #Primavera da Saúde dia 27 de Setembro em Brasília em um ato ainda mais indispensável na defesa do Sistema Único de Saúde!  

Venha para Brasília nesse 27 de setembro.

A Primavera da Saúde surge do reconhecimento por parte de diversos movimentos e entidades ligados à saúde de que estamos em  um momento importante na história da saúde no Brasil, repleto de possibilidades e que clama por uma postura ativa de todos os que defendem um sistema de saúde público e de qualidade para o Brasil.  Este reconhecimento surgiu a partir do ato realizado no dia 24 de agosto em defesa da regulamentação da EC-29 e do aumento de recursos para o SUS, o qual lotou a câmara dos deputados, e produziu fortes debates no Congresso, para dentro do Governo Federal e para a sociedade através da grande mídia. A força e o alcance que teve esta manifestação convenceu os diversos movimentos, entidades e inclusive parlamentares que este era o momento de aumentar a pressão sobre o poder público, na expectativa de garantir que a regulamentação da EC-29 não continue sendo postergada e que os debates sobre a emenda não deixem de lado a necessidade absoluta de mais recursos para o SUS. Assim nasce a proposta da Primavera da Saúde.

No site da #Primavera da Saúde (www.primaveradasaude.net.br), serão promovidos diversos debates com deputados, militantes e outras figuras da área da saúde, sendo que qualquer pessoa pode participar enviando comentários e perguntas. Dia 19/07 ocorreu um tuitaço, com milhares de participantes convocando o mundo virtual para participação na Primavera da Saúde. Na noite deste mesmo dia foi realizado um importante debate ao vivo na internet com o Deputado Amauri Teixeira do PT-BA, no qual foram debatidas as perspectivas da criação de fontes de financiamento para o SUS. 

Fonte: site Primavera da Saúde
Foto: google

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Saúde da População Negra é tema de encontro em São Paulo

Lideranças Negras de diversas regiões do país, reuniram-se em São Paulo, de 19 a 21 de setembro com o objetivo de discutir estratégias de participação do movimento negro na XIV Conferência Nacional de Saúde, e apresentar um programa de ações da Mobilização Nacional Pró-Saúde da População Negra 2011.

O evento contou também com a participação de Julia Roland, do Departamento de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde e de Mônica de Oliveira da Secretaria de Ações Afirmativas da SEPPIR, e representantes do CONASS e da Secretaria Municipal e Estadual de Saúde de São Paulo. 

Estiveram presentes ativistas do movimento negro, do movimento de mulheres negras, da juventude negra, afro-religiosos, do movimento afro LGBT, do movimento de doença falciforme, conselheiros de saúde, delegados das conferências municipais de saúde, representantes das diversas redes negras que atuam na área de saúde, entre outros.  

Durante três dias foram discutidas propostas importantes para serem negociadas durante a realização das Conferências Estaduais de Saúde e também com o Ministério da Saúde e Secretarias de Saúde. 

Veja aqui algumas das reinvidicações desse encontro:
1) Financiamento para a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra(PNSIPN), nas três esferas da gestão
2) Implementação da PNSIPN nos estados e municípios, uma vez que a Política agora é lei, conforme Estatuto da Igualdade Racial 
3) Participação do movimento negro na Conferência Mundial de Determinantes Sociais no Rio de Janeiro, em outubro, e inclusão do tema racismo na Conferência uma vez que o racismo é um dos determinantes das condições da saúde,
4) Apoio e fortalecimento do controle social de políticas públicas de saúde pela população negra,
5) Inclusão do tema saúde da população negra nos currículos de formação dos profissionais de saúde e nos cursos da educação permanente e dos profissionais do Estratégia de Saúde da Família,
6) Campanhas de combate ao racismo institucional e das diversas formas de intolerância na saúde nos três níveis de gestão(municipal, estadual e federal) 
7) Redução da mortalidade materna de mulheres negras, mortalidade infantil de crianças negras  e da juventude negra,
8)  Inclusão e qualificação do quesito cor em todos os sistemas de informação em saúde, 


Fotos: Marmo

Coordenadoras de Criola participam em Nova Iorque de Durban + 10

Lucia Xavier e Jurema Werneck, coordenadoras da Ong Criola, participam da Sessão das Nações Unidas sobre Durban+10.

Veja abaixo a fala da representente da Articulação de Mulheres Negras Brasileiras que foi selecionada pela ONU para falar 2 minutos durante a mesa redonda sobre vítimas de racismo na ONU (ECOSOC) hoje.

Rodnei Jericó, falou  em nome de Maria Mulher, da AMNB e das organizações brasileiras presentes em Nova Iorque para Durban+ 10 (Geledés, Criola, Rede de Mulheres Negras do Paraná, Cfemea, Ágere/ Comunidade Bahai)

" Em nome da Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras, das várias Organizações da Sociedade Civil brasileiras presentes nesta Sessão das Nações Unidas sobre Durban+10, expresso a nossa profunda insatisfação, após 10 anos da aprovação do Plano de Ação e da Declaração da Conferência Mundial contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenfobia e Formas Correlatas de Discriminação frente aos insuficientes resultados alcançados neste período.

Nós, as mulheres negras somos o maior grupo de vítimas de racismo no mundo. E ainda esperamos que os Governos Nacionais, assim como o Secretário-Geral das Nações Unidas e o Alto Comissariado de Direitos Humanos cumpram, conforme compromisso firmado no Plano de Ação e Declaração de Durban, com a obrigação moral de tomar medidas adequadas e eficazes para deter e reverter as conseqüências duradouras da escravidão, o comércio de escravos, o tráfico de escravos transatlântico, do apartheid, genocídio e tragédias do passado"

A sociedade civil em todo o mundo é uma das principais forças mobilizadoras para garantir que todos os compromissos assumidos em Durban possam tornar-se direitos efetivos para todas as mulheres e homens que vivem em todas as regiões do mundo, de diferentes gerações, identidades de gênero e condições econômicas.

Frente a persistência do racismo estrutural em todos os Estados-membro, e considerando as dificuldades em curso do Secretariado das Nações Unidas e do Escritório do Alto Comissariado de Direitos Humanos para desenvolver os mecanismos necessários para superar o racismo, urge que sejam implementados os compromissos de fortalecer a participação da sociedade civil em todos os níveis e que a criminalização e perseguição de defensores dos direitos humanos seja interrompida.

Senhoras e Senhores que representam as nações do mundo, é sua a responsabilidade de superar suas próprias limitações e interesses mesquinhos, em nome de sua obrigação de agir pelo bem comum."

Foto: google

Conferência Muncipal de Saúde do Rio de Janeiro começa amanhã

De 23 a 25 de setembro, a partir das 13h, vai acontecer a XI Conferência Municipal de Saúde no Teatro Mário Lago do Colégio Pedro II, no Campo de São Cristóvão.

A Conferência de Saúde é um dos mecanismos de controle social de políticas públicas de saúde e é muito importante que  a população do município do Rio de Janeio participe. 

Um dos objetivos da Conferencia é promover discussões que possibilitem melhorias do Sistema Único de Saúde e propor estratégias para qualificar os serviços de saúde.

Lembre-se que a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra agora é lei, e precisa ser  implementada no Rio de Janeiro. As desigualdades racias em saúde é comprovada por vários dados epidemiológicos que mostram as desvantagens da população negra em relação a população branca na cidade maravilhosa.

É hora de mudar. Você não pode deixar de participar, faça valer os seus direitos.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Seminário sobre o Relatório Anual das Desigualdades Raciais

A Câmara sedia na quarta-feira (14 de setembro) seminário para discutir o Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil 2009-2010, elaborado pelo Laboratório de Análises Econômicas, Históricas, Sociais e Estatísticas das Relações Raciais (Laeser) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O evento será promovido em conjunto pelas comissões de Legislação Participativa; e de Seguridade Social e Família. O debate foi proposto pelos deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e Luci Choinaki (PT-SC), a partir de sugestão encaminhada pelo Instituto de Estudos Socioeconomicos (Inesc). Segundo o Inesc, o relatório é uma contribuição do setor universitário para a discussão sobre políticas públicas de igualdade racial, especialmente nas áreas de seguridade social (previdência social, assistência social e saúde).

O texto baseou-se nos indicadores sociais de fontes oficiais, como do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e dos ministérios da Educação, da Saúde e do Desenvolvimento Social.

A deputada Luci Choinaki afirma que o relatório aponta avanços relacionados à universalização do ensino fundamental e ao Programa Bolsa Família e trata de impasses que vêm impedindo a universalização da cobertura e do atendimento da Seguridade Social.

“O estudo evidencia que são justamente os pretos e os pardos os mais afetados negativamente pelas lacunas verificadas em termos da aplicação do princípio constitucional [de universalização da Seguridade Social]”, diz a deputada.

Foram convidados para o seminário a  Ministra Luiza Bairros da SEPPIR, a representante da ONU Mulheres para o Brasil e Cone Sul, Rebecca Reichmann Tavares; o integrante do colegiado de gestão do Inesc Átila Roque; o representante do Observatório Afro-Brasileiro Marcelo Paixão; a professora Sonia Fleury, da Fundação Getúlio Vargas; e a coordenadora da organização não governamental Criola, Jurema Werneck.


Fonte: SEPPIR

domingo, 11 de setembro de 2011

19 anos criola

Obassy, ialorixá e sambista que fez parte da trajetória de Criola
É com um grande sorriso que vamos comemorar mais um aniversário de Criola. E como canta Dona Ivone Lara: "Um sorriso negro, um abraço negro traz felicidade."

Seminário Imprensa e Agenda de Direitos das Mulheres

O seminário tem o objetivo de apresentar, divulgar e discutir os resultados da pesquisa de monitoramento da produção jornalística brasileira sobre questões referentes aos direitos das mulheres com foco nos temas: Poder e Decisão; Trabalho; e Violência.  O evento reunirá profissionais de imprensa e especialistas na agenda de equidade de gênero.

O estudo foi realizado pela ANDI - Comunicação e Direitos, em parceria com Instituto Patrícia Galvão, no âmbito do GT de Comunicação e Mídia do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero e teve apoio da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM/PR). 

Data:
3 de outubro de 2011
Local: Auditório da Presidência da República - anexo I do Palácio do Planalto

As inscrições devem ser feitas pelo site:
http://adm.informacao.andi.org.br/seminario/

Conferência Mundial Sobre os Determinantes Sociais em Saúde

A Conferência Mundial sobre DSS (CMDSS) a ser realizada no Rio de Janeiro nos dias 19, 20 e 21 de outubro de 2011 é um encontro de governos e da sociedade civil para debater estratégias e metodologias e assumir o compromisso coletivo de combate às iniquidades em saúde, através da ação sobre seus determinantes sociais.

A maioria dos Estados-Membros da Organização Mundial de Saúde(OMS) reconhece a importância da atuação sobre os determinantes sociais da saúde. No entanto, a fim de que esse reconhecimento se traduza em ações práticas é necessário discutir estratégias, metodologias e experiências que orientem a implantação de políticas capazes de articular diferentes setores e diferentes parceiros em nível local, nacional e global. Este é o objetivo principal dessa Conferência Mundial.

Os principais produtos da Conferência são um documento técnico com orientações para políticas de combate às iniquidades em saúde através da ação sobre os determinantes sociais e a Declaração do Rio, que deve expressar o compromisso político dos estados membros para a implementação dessas políticas.

Informações no http://cmdss2011.org/site/

III Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres

Com a chamada "autonomia e  igualdade para as mulheres" , vai acontecer de 12 a 15 de dezembro de 2011, em Brasília, a III Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres.

A primeira etapa da 3ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, que começou em junho, já mobilizou mais de 1,5 mil municípios nas conferências municipais e regionais, etapas preparatórias. Até esta semana, em todo o Brasil já foram realizadas 1235 conferências e outras 300 devem acontecer até o final deste mês, quando se encerra a etapa municipal.

As Conferências Temáticas são uma novidade nesta terceira edição da conferência nacional. Elas são livres e contribuem para o debate das demais conferências em vários temas. Pela primeira vez as mulheres em situação de prisão realizaram suas conferências. Nos presídios femininos de Cariacica/ES e Bagé/RS elas expuseram os problemas e reivindicaram ações especificas para as mulheres que vivem em presídios.

A 3ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, convocada pela presidenta Dilma Rousseff sob a coordenação da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) e Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), tem como eixo temático, a construção da autonomia econômica, cultural e política das mulheres, na perspectiva da erradicação da extrema pobreza e para o exercício da cidadania das mulheres no Brasil.

Mais informações no www.conferenciadasmulheres.com.br

Fonte: SPM

Encontro Nacional de Lideranças Negras Rumo a XIV Conferência Nacional de Saúde

Objetivo: fortalecer e ampliar a participação das lideranças e ativistas do movimento negro no processo da XIV Conferência Nacional de Saúde e no monitoramento da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra

Quando: 19 a 21 de setembro de 2011
Onde: Hotel Dann Inn - Avenida Consolação 800 - Centro - São Paulo
Realização: Rede Nacional de Controle Social e Saúde da População Negra, Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e  Saúde, Rede Lai Lai Apejo: População Negra e Aids, Rede Sapata: Rede Nacional de Promoção e Controle Social em Saúde das Lésbicas Negras, Articulação de Mulheres Negras Brasileiras 
Informações: encontroredes14cns@gmail.com

domingo, 4 de setembro de 2011

Participe das Conferências de Saúde


O Sistema Único de Saúde é uma conquista da sociedade brasileira. Ele é fruto da luta por um sistema de saúde que atenda a toda a população, sem nenhum tipo de discriminação. Hoje, o SUS é a maior política de inclusão social existente no País.

A 14 a Conferência Nacional de Saúde é o evento sobre saúde mais importante no Brasil e acontecerá em Brasília, Distrito Federal no período de 30 de novembro a 4 de dezembro de 2011.

Sob o tema “Todos usam o SUS! SUS na Seguridade Social - Política Pública, Patrimônio do Povo Brasileiro” e como eixo “Acesso e acolhimento com qualidade: um desafio para o SUS”, a 14ª Conferência tem por objetivo discutir a política nacional de saúde, segundo os princípios da integralidade, da universalidade e da equidade.

Fique ligado nas conferências clicando no http://conselho.saude.gov.br/14cns/index.html
Fonte: Conselho Nacional de Saúde

População negra realiza Encontro Nacional de Segurança Alimentar

Encontro Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional da População Negra e dos Povos e Comunidades Tradicionais
Data: 04 a 06 de setembro de 2011
Local: SESC Guarapari, Rodovia do Sol, Muquiçaba – Guarapari – Espírito Santo











A realização do “1º Encontro Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional da População Negra e dos Povos e Comunidades Tradicionais” será um avanço na discussão da SAN, segundo um enfoque étnico-racial, uma vez que essas populações vivem com os maiores índices de insegurança alimentar grave ou moderada.

Pesquisas apresentam indicadores sociais demonstrando que a desigualdade racial aparece como um fator preponderante de geração de insegurança alimentar e que, portanto, contribui para definir o quadro de vulnerabilidade da população negra e dos povos e comunidades tradicionais.
O desenvolvimento de políticas públicas diferenciadas, pautadas pelo recorte étnico-racial e de gênero, aparece, assim, como instrumento fundamental para a promoção da equidade e do desenvolvimento social no Brasil.

A realização do encontro estimulará o trabalho conjunto entre o poder público, os conselhos estaduais e municipais de segurança alimentar e nutricional e as lideranças negras e das comunidades – a fim de identificar as necessidades e prioridades destas comunidades no que tange à segurança alimentar e nutricional no Brasil.

As resoluções elaboradas durante o evento servirão de subsídio para a 4ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, pois o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, órgão legalmente responsável pela convocação da 4ª CNSAN , definiu este evento como etapa preparatória do processo de conferência.

Fonte: ASCOM-Consea